Follow by Email

sexta-feira, 22 de junho de 2018


A DIRF esta com seus dias contados com a entrada do E-Social, porem para o próximo ano 2019, acredito que ainda iremos ter a geração da mesma e um dos erros comuns são:

Desposicionamento na linha onde consta o telefone do responsável 

Um dos problemas que podemos encontrar ao gerar o arquivo magnético para transmissão da DIRF que geralmente o usuário não se atenta é no preenchimento do telefone, o que gera uma inconsistência ao passar o arquivo no Validador.

Passo a passo:

O correto preenchimento do campo de telefone do responsável nos parâmetros de geração do arquivo deve ser feito da seguinte forma:
 O DDD deve ocupar 6 (seis) posições, sendo 1 para o caracter "(", 3 para o código do DDD (exemplo: 011), 1 para um espaço em branco e 1 para o caracter ")". Exemplo: (011 )
 O telefone deve ocupar 10 (dez) posições.
Para telefones de 8 dígitos, a primeira posição deve ser um espaço em branco. Depois vem os 4 primeiros dígitos do telefone, um hífen e os últimos 4 dígitos do telefone.
Para telefones de 9 dígitos, basta inserir um hífen após o quinto dígito.
Para telefone com ramal, deve ser inserido uma barra ( / ) logo após o telefone e o ramal em seguida.
Veja abaixo todos os exemplos:

Telefone de 8 dígitos sem ramal: (011 ) 8765-4321







Telefone de 9 dígitos sem ramal: (011 )98765-4321





Telefone de 8 dígitos e ramal de 2 dígitos: (011 ) 8765-4321/R:21





Telefone de 8 dígitos e ramal de 4 dígitos: (011 ) 8765-4321/4321






Caso esteja diferente disto, o arquivo terá registros desposicionados e não passará pelo validador, como pode ser visto na imagem abaixo:







domingo, 11 de março de 2018

Serviço do AppServer Protheus como servidor de Log.


Um ponto muito interessante que muita gente acaba não dando tanta atenção é sobre os logs que o serviço do Protheus gera, como na grande maioria das vezes o serviço fica diretamente no serviço do sistema operacional acabamos não nos atentando das valiosas informações que ele gera.

Muitos problemas podem ser resolvidos verificando o LOG gerado no appserver.

NO TDN da TOTVS há alguma documentação sobre o assunto, porém ainda é muito pouco explorado, aqui vou abordar uma das partes da configuração do appservercomo servidor de LOG´s, ponto interessante para quem trabalha com balanceamento concentrando assim os logs em um único local.

Configuração. 


A sessão [LogServer] indica que o AppServer irá se comportar como Servidor de Logs (LogServer).
Obs. Para que o AppServer execute como LogServer ele deve ser informado com o argumento de execução (-logserver).
Ex:      appserver -logserver
 Disponível em Build igual ou superior a 7.00.131227A NG
 Parâmetros da Sessão 

Nome
Tipo
Descrição
Padrão
port
Numérico
Porta TCP que o servidor irá receber os Logs no padrão SysLog
514
type
Caractere
Tipo de Log e de gravação de Log
5424 
file
Caractere
Nome base do arquivo que irá conter os Logs
log_server.txt
file_size
Numérico
Tamanho do arquivo em bytes
Obs. Este é o tamanho de referência para os arquivos, porém os arquivos podem conter em alguns Kb em SQLite.
1 Mb
max_files
Numérico
Número máximo de arquivos de backup
10
backup_dir
Caractere
Diretório onde serão armazenados os arquivos de backup
backup_logs
map_file
Numérico
Indica que deve gravar em arquivo ("file".log). Valores: 0 - desabilitado 1 - habilitado
1
sqlite
Numérico
Indica que deve gravar em SQLite ("file".db). Valores: 0 - desabilitado 1 - habilitado
1
backup_sqlite_cfg_file
Caractere
Lista de arquivos de backup gerados do SQLite
"file".cfg
backup_sqlite_folder
Caractere
Diretório onde serão armazenados os arquivos de backup do SQLite
"backup_dir"
echo
Numérico 
Indica de deve fazer o echo de todas as mensagens recebidas
0
echo_error
Numérico
 Indica de deve fazer o echo de todas as mensagens recebidas com erro
0
proxy_server
Caractere
Nome do Servidor de Proxy que irá receber os logs redirecionados a partir deste servidor
 
proxy_port
Numérico
Porta TCP do servidor de Proxy 
 
proxy_buffer
Numérico
Tamanho do Buffer interno (em bytes) para armazenamento de Logs, caso o servidor de proxy não esteja recebendo os Logs
10 Mb
receiver_port
Numérico
Porta em que o Log Server irá receber/enviar as requisições para o Log Viewer.
Obs. Se não for configurado não envia informações dos Logs.
 

 Os valores "Padrão" se referem a versão corrente do Build igual ou superior a 7.00.131227A NG
 
A sessão [LogServerService] indica que o nome do serviço a ser instalado como Servidor de Logs (LogServer).

Parâmetros da Sessão 


Nome
Tipo
Descrição
Padrão
NAME
Caractere
Nome do serviço
 
DISPLAYNAME
Caractere
Nome de visualização do serviço
 
 
Exemplo
[LogServer]
port=4000
file=log_totvstec11
file_size=1048576
max_files=50
backup_dir=backup_log
map_file=1
sqlite=1
 
[LogServerService]
NAME=.PROTHEUS_12_4000_Log_Server
DISPLAYNAME=.PROTHEUS_12_4000_Log_Server
 
Para o uso do Log Server como serviço do sistema operacional Windows deve-se configurar a seção LogServerService e executar o comando appserver -logserver -install.
 Toda a informação técnica foi retirada do site TDN da TOTVS.
Boa Leitura!!

 

domingo, 23 de julho de 2017

Management 3.0 o futuro do gerenciamento







O post de hoje vamos falar um pouco de assunto que para mim é de extrema importância, interessante e que com certeza será muito falado daqui para frente: Management 3.0
Mas o que é Management 3.0, buscando a resposta no próprio site da empresa Happy Melly temos a seguinte definição:

What is Management 3.0?

We’ve realized that almost every industry is ripe for change and ready for a new view on management. Management 3.0 is that future of management.

Management 3.0 is a movement of innovation, leadership and management. Management 3.0 is redefining the definition of leadership  with management as a group responsibility. It’s about working together to find the most efficient way for a business to achieve its goals while maintaining the happiness of workers  as a priority.

Management 3.0 is a global management revolution that brings together thousands of project managers, mid-level managers, CEOs and entrepreneurs, developing solutions together, using games to encourage employee feedback and team collaboration.

You don’t want theories and soft management science, you want hands-on approaches that can become solutions for increasing employee engagement and improving results. You want to build a future.

O Management 3.0 é o futuro do gerenciamento, um movimento de inovação, liderança e gerenciamento que tem como objetivo principal a felicidade dos trabalhadores como um prioridade, utilizam jogos para incentivar o feedback dos funcionários e colaboração em equipe, buscando maior engajamento dos funcionários e melhorando resultados.

Utilizado inicialmente na área de T.I. tem se expandido para a área de negócios isso porque ele auxilia empresas a repensarem sua estrutura e seus processos para se tornarem mais produtivas, ao transmitir técnicas e ideias que podem ser usadas para ajudar um gestor a energizar as pessoas, empoderar times, alinhar restrições organizacionais, desenvolver competências, crescer a estrutura empresarial.


Vale ressaltar que o Management 3.0 não é uma metodologia ou um framework de soluções prontas para resolver problemas das organizações, muito menos algo que simplesmente se implanta numa empresa da noite para o dia. Mas sim, um modelo mental, uma forma de pensar a gestão que pode ser colocada em prática diariamente por gestores ou líderes.

O assunto é extenso e muito interessante, futuramente iremos abordar outros pontos para trazer maiores detalhes.

Boa leitura e bons estudos. 

domingo, 25 de junho de 2017

Scrum - A arte de Fazer o Dobro do Trabalho na metade do Tempo

Scrum - A arte de Fazer o Dobro do Trabalho na metade do Tempo

Nos últimos tempos, pela crise que assola no país tem se intensificado nas empresas a máxima da otimização de recursos, financeiro e humanos, onde cada vez mais as empresas estão exigindo de seus colaboradores a realização de atividades com muito mais eficiência e rapidez do que a tempos atrás.

Isto também esta se tornando o diferencial de profissionais e empresas, aqueles que conseguem atender a seus clientes, sejam eles internos ou externos com a máxima eficiência, em relação a custo, prazo e qualidade diference das demais empresas e profissionais do mercado.

Para isto vem se empregando inúmeras técnicas e métodos e um deles é o SCRUM, método criado por Jeff Sutherland ex-piloto da força área americana, especialista em biometria, inovador no início da tecnologia dos caixas eletrônicos e também atuou como diretor de várias empresas de ramos diversos.

Com esta método inovador ele conseguiu simplificar a vida e o trabalho de muitas pessoas pelo mundo, pois atua focado em um dos maiores bens da humanidade: o tempo (tão escasso ultimamente), com o aumento da produtividade e otimizando o tempo tem se demonstrado a melhor maneira de mudar nossas vidas.

A metodologia SCRUM tem sido aplicada não só no ramo da tecnologia, tem se mostrado eficaz em vários outros segmentos, desde projetos sociais a desenvolvimento de complexos empreendimentos e em empresas de pequeno, médio e grande porte.


Para implementação do SCRUM temos os seguintes passos básicos

  1. Escolha um Product Owner
  2. Selecione uma equipe
  3. Escolha um Scrum Master
  4. Crie e ordene de acordo com as prioridades, um backlog
  5. Refine e estime o backlog
  6. Planeje os Sprints
  7. Torne o trabalho Visível
  8. Scrum Diário (reunião diária)
  9. Revisão do Sprint (Demonstração)
  10. Retrospectiva do Sprint
  11. Comece de imediato o sprint seguinte
Fluxo do Processo Scrum








Para entender melhor o SCRUM recomendo fortemente a leitura do livro de Jeff Sutherland Scrum a Arte de Fazer o Dobro do Trabalho na Metade do tempo (Titulo deste post), nele há explicação de como nasceu esta metodologia e alguns exemplos da aplicação da mesma pelas empresas o que facilita um pouco o entendimento.

No inicio pode parecer complicado, mas seguindo o que o próprio Jeff coloca o "pulo do gato" é continuar e ir melhorando a cada sprint até que a equipe ganhe uma velocidade que você irá se surpreender.


Boa Leitura!!

sábado, 3 de junho de 2017

Como instalar o serviço do Protheus no service do Windows

Para instalar o serviço do Protheus no service do Windows é bem simples, basta seguir os passos abaixo:

Primeiramente configure o appserver.ini no parâmetro Service da seguinte maneira.

[service]
name=.TOTVS Protheus 12
displayname=.TOTVS Protheus 12|1238

Recomendo colocar a porta que está sendo utilizada na frente do nome do serviço, pois caso utilize balance fica fácil identificar em qual slave o usuário esta conectado.
Outra boa recomendação é iniciar o nome com "."(ponto), pois assim ele irá ordenar o serviço primeiro que os demais.

Feito isto execute os seguintes comandos na linha de comando.

Executar o TOTVS Application Server a partir de uma linha de comando com os seguintes parâmetros.

Exemplo Windows: Iniciar >> Executar >> 
Parâmetros de iniciar em console: –Console ou –Debug
Parâmetro para iniciar em Serviços do Windows: –Install
Parâmetro para remover do Serviços do Windows: –Remove
Sintaxe Exemplo: D:Protheus12\bin\appserver\TotvsAppServer.exe –install
Observação: Caso haja espaço nas pasta, informar as aspas “ ”.
Sintaxe Exemplo: “D:Protheus12\bin\appserver\TotvsAppServer.exe” –install